Pandemia Mundial-Coronavírus

O que é e como começou?

31 de dezembro de 2019. A Comissão Municipal de Saúde de Wuhan, na província de Hubei, reportou 27 casos de uma pneumonia de causa desconhecida. Todos os casos estavam ligados a um mercado de alimentos e animais vivos (peixe, mariscos e aves) em Wuhan.

9 de janeiro de 2020. O Centro de Prevenção e Controlo das Doenças da China informa que um novo coronavírus, SARS-CoV-2 agora denominado cientificamente de Covid-19, foi detetado como agente causador de 15 dos 59 casos de pneumonia.

Até à data, o surto continua em investigação. O Covid-19 espalhou-se pelo mundo. Há já mais de quatro mil vítimas mortais e milhares de infetados.

Até à data, o surto continua em investigação. O Covid-19 espalhou-se pelo mundo. Há já mais de quatro mil vítimas mortais e milhares de infetados.

Como acontece a transmissão?

Está nesta altura comprovado que o novo coronavírus é transmitido de pessoa para pessoa.

Ainda não há informação suficiente sobre a forma exata de transmissão entre humanos, mas o vírus parece ser transmitido por via respiratória, através de pequenas gotículas do nariz ou da boca expelidas por tosse, espirros ou secreções de pessoas infetadas. Por isso, a OMS considera importante manter uma distância superior a um metro de uma pessoa doente.

Essas gotículas podem também permanecer em objetos e em superfícies. Se as pessoas tocarem ou tiverem contacto com esses objetos ou superfícies contaminadas e depois tocarem nos olhos, no nariz ou na boca, podem ficar infetadas.

Os estudos realizados sugerem que o vírus que causa a doença denominada Covid-19 é transmitido principalmente pelo contato com gotículas respiratórias e não pelo ar.

Há indicação de que pode haver transmissão do vírus mesmo antes de os sintomas se manifestarem.

O risco de transmissão através das fezes também é uma possibilidade, embora seja mínimo. As investigações iniciais sugeriam que o vírus podia estar presente nas fezes em alguns casos, mas não é a forma de transmissão principal.

O vírus sobrevive ao encontrar um “hospedeiro” e usa as suas células vivas para se replicar. Quando um vírus invade um hospedeiro, entra nas células e “sequestra” os sistemas naturais de produção de células para fazer novas cópias de si próprio – ou seja, replica-se.

Este processo de replicação pode resultar em pequenos erros ou alterações na produção dos novos vírus, levando a uma mutação.

Sintomas

As pessoas infetadas com coronavírus podem apresentar, principalmente, sinais e sintomas de infecção respiratória aguda como febre, tosse, tosse seca, cansaço, dores musculares e dificuldade respiratória. Nos casos mais graves pode levar a pneumonia grave com insuficiência respiratória aguda, falência renal e de outros órgãos, septicemia e eventual morte. Até agora, só 3,4 por cento dos doentes morreram com Covid-19.

Alguns doentes podem ter também congestão e corrimento nasal, dor de garganta ou diarreia. Contudo, todos estes sintomas são normalmente leves e aparecem gradualmente.

Algumas pessoas, no entanto, estão infetadas mas não apresentam sintomas nem se sentem mal. E a maioria das pessoas (cerca de 80 por cento) recupera da doença sem necessitar de um tratamento especial.

Todas as pessoas, de todas as idades, podem ser infetadas pelo novo coronavírus.

Contudo, as pessoas com mais idade, com condições subjacentes ou doenças crónicas – como, por exemplo, asma e doenças respiratórias, diabetes, hipertensão, distúrbios cardíacos ou distúrbios hepáticos – parecem ser mais vulneráveis e correm um risco maior de desenvolver sintomas mais graves

Como prevenir a transmissão?

Uma vez que a transmissão ocorre através de gotículas e das vias respiratórias, a prevenção passa essencialmente por medidas de higiene e etiqueta respiratória. O vírus entra no corpo através dos olhos, nariz e boca, portanto, evite tocá-los com as mãos não lavadas.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Direcção Geral de Saúde (DGS) recomendam medidas para reduzir a exposição e transmissão da doença, sendo as seguintes as mais importantes:

  • Lavar as mãos de forma regular, durante cerca de 20 segundos, com água e sabão ou pelo menos friccione-as com uma solução antissética à base de álcool (com um mínimo de 60% de etanol).
  • Tapar o nariz e a boca com o antebraço ou com um lenço de papel sempre que espirrar ou tossir.
  • Utilizar uma máscara de protecção. Convém esclarecer, no entanto, que esta máscara encontra-se indicada apenas para suspeitos de infeção ou pessoas que prestem cuidados a suspeitos de infecção

Coronavírus. O que são?

Os coronavírus são uma larga família de vírus, identificadas em 1960, que vivem noutros animais (por exemplo, aves, morcegos, pequenos mamíferos) e que no ser humano podem causar doenças respiratórias, desde uma comum constipação até pneumonias. Podem transmitir-se entre animais e pessoas. A maior parte das estirpes de coronavírus circulam entre animais e não chegam sequer a infetar seres humanos.

Apenas seis estirpes de coronavírus entre os milhares existentes são transmitidas para pessoas.

A origem exata do vírus SARS-CoV-2, ainda não foi confirmada, mas os investigadores que analisam o material genético identificaram fortes semelhanças com os coronavírus de morcegos. Segundo a plataforma GISAID, o genoma do novo coronavírus é 80% idêntico ao vírus da SARS, mas mais afastado do vírus MERS.

Para acompanhar mais de perto esta pandemia no mundo podemos aceder aqui ao jornal El País, do nosso país vizinho.

Para reflectir com mais profundidade sobre o tema do Coronavirus sugiro a leitura desta página.

Não nos devemos esquecer que há duas maneiras importantes que evitam a propagação da epidemia: isolamento social e lavar as mãos várias vezes ao dia. E qual a melhor maneira de lavar as mãos?

As mãos-fonte de contaminação

Tenha uma Páscoa Feliz

Dentro dos condicionalismos actualmente existentes, desejo a todos uma santa e feliz Páscoa.

2 comentários em “Pandemia Mundial-Coronavírus”

  1. Obrigado Carlos pela tua iniciativa e de outros colegas que querem manter activos o site web. Mesmo não tendo aulas despertam na professora e nos colegas para apreciarem os artigos que estão a fazer e assim não esquecem o que aprenderam…convém partilhar com os colegas mesmo que não comentem ou respondam.
    Parabéns pela iniciativa positiva, obrigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *